Seguidores

Diversonagens suspersas - Paulo Leminski


Meu verso, temo, vem do berço.
Não versejo porque eu quero,
versejo quando converso
e converso por conversar.
Pra que sirvo senão pra isto,
pra ser vinte e pra ser visto,
pra ser versa e pra ser vice,
pra ser a super-superfície,
onde o verbo vem ser mais?

Não sirvo pra observar.
Verso, persevero e conservo
um susto de quem se perde
no exato lugar onde está.

Onde estará meu verso?
Em algum lugar de um lugar,
onde o avesso do inverso
começa a ver e ficar.
Por mais prosas que eu perverta,
Não permita Deus que eu perca
meu jeito de versejar.


Um comentário:

  1. É assim mesmo com quem é poeta de verdade. Imagina eu com a minha pretensão de o ser. É que aprendiz qualquer um pode ser.Cada um tem seu jeito.
    "Por mais prosas que eu perverta,
    Não permita Deus que eu perca
    meu jeito de versejar"
    Bjs.

    ResponderExcluir