Seguidores

Cenário de infância - Emílio Moura

Sombra de troncos e exílio nos olhos parados,
molhados.

O banzo sorrindo, chorando na noite,
cantando na noite,
e a noite sonora de banzo.

(E as amplas campinas estereotipando o irremediável exílio...)

Nas noites sem lua,
os sacis iam espiar os quilombos envenenados,
- gritinhos e falas vegetais no silêncio encharcado das lianas –
e voltava pulando com tições acesos pelas chapadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário