Seguidores

The Highwayman - H.C. Bailey

O vento era uma corrente da escuridão
entre as tempestuosas árvores.
A lua era um pálido galeão
lançado acima aos mares nublados
A estrada era uma tira do luar
sobre a terra roxa
E o ladrão de estradas vinha cavalgando
Cavalgando, cavalgando
O ladrão de estradas vinha cavalgando,
em direção ao velho albergue.

Ele usava um chapéu francês sobre a cabeça,
um lenço de seda em seu queixo
Um casaco de veludo vermelho e calções de couro de coelho
Eles adaptaram-se sem precisar de uma prega,
suas botas iam acima da coxa!
E ele cavalgava com brilho nos olhos ,
Com sua pistola sem brilho
Com o cabo de sua espada sem brilho, sob o céu brilhante.

Sobre a calçada ele se anunciou, e adentrou o pátio escuro
E ele bateu com seu chicote nas persianas,
porém elas estavam fechadas.
Ele assobiou uma melodia à janela,
e quem poderia estar esperando lá?
Senão a filha de olhos negros do senhorio,
Bess, a filha do senhorio
Com uma longa fita vermelha
prendendo seus longos cabelos pretos.

“Um beijo, minha bela adorada,
estarei atrás de uma recompensa essa noite
Mas eu devo estar de volta com o ouro amarelo antes do amanhecer
Se me seguirem de perto, ou me atormentem até o dia
Então procure-me no lua
Vigie por mim no luar
Eu virei te encontrar no luar,
mesmo que o inferno barre meu caminho.”

Ele subiu nos estribos, mal podia alcançar a mão dela
Porém ela desatou seu cabelo no batente!
A face dele queimou semelhante brasa
E a negra cascata de perfume chocou-se contra seu peito
E ele beijou as ondas no luar,
(Oh, doces ondas no luar!)
Então ele puxou na sua rédia no luar,
E galopou em direção ao oeste.

Ele não veio ao amanhecer; ele não veio ao meio dia
E ao fim do pôr-do-sol, antes do nascer da lua,
Quando a estrada era como uma faixa cigana,
amarrando a terra púrpura
Uma tropa com casacos vermelhos veio marchando
Marchando, marchando
Homens do Rei George vieram marchando
em direção ao velho albergue

Eles não disseram uma palavra ao senhorio
Ao invés disso beberam sua cerveja
Então amordaçaram sua filha
e amarraram-lhe aos pés de sua estreita cama
Dois deles ajoelharam-se ao lado da janela,
com seus mosquetes ao lado
Havia morte em todas as janelas
E o inferno em uma janela escura
Bess pode ver pela janela,
A estrada que ele iria cavalgar.

Eles atraíram sua atenção, com muitos risos sarcásticos;
Eles amarraram-na a um mosquete,
com o cano sob seu peito
“Agora vigie bem” E beijaram-na
Ela ouviu o homem morto dizer
"Então procure-me no luar
Vigie por mim no luar
Eu virei te encontrar no luar,
mesmo que o inferno barre meu caminho”

Ela torceu suas mãos amarradas,
mas os nós estavam muito fortes!
Ela retorceu suas mãos até seus dedos
ficarem molhados com suor e sangue
Eles esticaram e cansaram na escuridão
e as horas arrastaram como anos!
Até agora, na batida da meia-noite,
Fria, na batida da meia-noite,
A ponta de um tocou
O gatilho ao menos estava com ela!

Tlot-tlot! Eles teriam ouvido isso?
Os cascos dos cavalos soaram claros
Tlot-tlot, na distância!
Estavam surdos por não ouvirem?
Sob a linha do luar, além da fronte da colina,
O ladrão de estradas veio cavalgando,
Cavalgando, cavalgando!
Os casacos vermelhos olharam sua condição
Ela levantou-se séria e quieta.

Tlot no gélido silêncio! Tlot, na noite ecoante!
Mais perto ele vinha e mais perto!
A face dela era pura luz!
Seus olhos arregalaram-se por um instante!
Ela deu um último suspiro
Então seus dedos moveram-se no luar,
Sua mosquete despedaçou o luar,
Despedaçou o seu peito no luar
e prevenindo-no com sua morte.

Ele virou-se, ele cavalgou ao oeste;
não sabia que o que havia acontecido,
Curvada coma cabeça sobre o mosquete
Encharcada em seu próprio sangue vermelho!
Só no amanhecer ele ouviu falar disso,
sua face tornou-se pálida ao ouvir
Como Bess, a filha do senhorio
A filha de olhos negros do senhorio
Que vigiou por seu amor ao luar,
e morreu na escuridão deste lugar.

De volta ele cavalgou como um louco,
gritando uma maldição ao céu.
Com a estrada branca fumegante atrás dele
e brandindo sua espada aos céus
Vermelho sangue era a espora ao meio-dia dourado,
o vermelho vinho era seu casaco de veludo.
E foi atingido pelo tiro na estrada
Caido como um cão na estrada
Caído sobre o próprio sangue na estrada,
Com o lenço de seda na garganta.

Ainda em noites de inverno, dizem,
quando o vento bate em árvores
Quando a lua é um pálido galeão,
lançada acima aos mares nublados
Quando a estrada é uma tira do luar
sobre a terra roxa
Um ladrão de estradas vem cavalgando,
Cavalgando, cavalgando
Um ladrão de estradas vem cavalgando ,
em direção ao velho albergue.

Nenhum comentário:

Postar um comentário