Seguidores

Luar em qualquer cidade - Carlos Drummond de Andrade


O luar deixava as coisas mais brancas.
As estrelas desapareciam.
As casa, as moitas: impregnadas
não de sereno, de luar.
Caminhávamos interminavelmente, sem afego,
sem pressa.
Caminhávamos através da lua.
E éramos dois seres habituais e dois fantasmas
ao mesmo tempo.
Lá longe era o mundo
àquela hora coberto de sol.
Mas haveria sol?
Boiávamos em luar. O céu,
uma difusa claridade. A terra,
menos que o reflexo dessa claridade.
Tão claros! tão calmos!
Estávamos mortos e não sabíamos,
sepultados, andando, nas criptas do luar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário