Seguidores

Manoel de Barros

Ontem passou por aqui um meu ancestral, que
solfejava Bach:
“Fique conosco, Senhor, que a noite chega.”
Ele cantava assim nas estradas mais sujas.
E aquelas borboletas sobre uns ramos de
tomilho cantavam com ele.

Nenhum comentário:

Postar um comentário