Seguidores

Velha chácara - Manuel Bandeira



A casa era por aqui...
Onde? Procuro-a e não acho.
Ouço uma voz que esqueci:
É a voz deste mesmo riacho.

Ah quanto tempo passou!
(Foram mais de cinqüenta anos.)
Tantos que a morte levou!
(E a vida... nos desenganos...)

A usura fez tábua rasa
Da velha chácara triste:
Não existe mais a casa...

- Mas o menino ainda existe.


2 comentários:

  1. Haverá sempre uma casa, um menino ou uma menina, sob a cabeleira grisalha de nossas.
    lembranças. Muito lindo esse poema!! Prontamente lembrei-me da minha casa, a primeira ao chegar em Brasília, era de madeira,simples casa onde brincava à sombra dos flamboyants, e era feliz e não sabia.
    Oi Nádia, um grande abraço, e um bom feriado de Carnaval pra você já estava com saudades de vir aqui, bjs.

    ResponderExcluir
  2. E que doces lembranças, Lourdinha!
    Obrigada e pra você também um ótimo feriado.
    Beijos

    ResponderExcluir