Seguidores

Boitempo - Carlos Drummond de Andrade


Entardece na roça
de modo diferente.
A sombra vem nos cascos,
no mugido da vaca
separada da cria.
O gado é que anoitece
e na luz que a vidraça
da casa fazendeira
derrama no curral
surge multiplicada
sua estátua de sal,
escultura da noite.
Os chifres delimitam
o sono privativo
de cada rês e tecem
de curva em curva a ilha
do sono universal.
No gado é que dormimos
e nele que acordamos.
Amanhece na roça
de modo diferente.
A luz chega no leite,
morno esguicho das tetas,
e o dia é um pasto azul
que o gado reconquista.


Um comentário:

  1. É isto mesmo! Drummond disse tudo e deixou o resto virar sonho dentro da gente.
    Saudade da minha rocinha. Bjs.

    ResponderExcluir