Seguidores

Poema da solidão do vento - Glória de Sant'Anna

 É o vento.

O vento vivo e claro
que percorre e não prende
o corpo nu das árvores.

É o vento.

O vento que se inclina
junto às portas fechadas
e tateia as vidraças
com longos dedos de ágata.

É o vento.

O vento que se humilha
- e partirá tão só
como à chegada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário