Seguidores

Duas canções para Carlos Drummond de Andrade - Odylo Costa, Filho


1
Canção obscura
dos olhos fundos
na terra nítida
vai navegando

soluço inquieto
mágoa secreta
nos olhos fundos
cores e sombras
das madrugadas

as bicicletas
os trens passando
bondes e nuvens
quotidianos
que companhia
no desespero!

Homem sozinho
que estás presente
nas nossas noites
todas iguais,
esquerdo e simples
como uma foice

que teu destino
nos justifique
nos acompanhe
nos abençoe.


2
Paciência deslumbrada
caindo gota a gota,
noite e dia polida,
muda-se em sal da infância
que tuas vacas lambiam
e nos devolves nítido
em chuva dulciamara
mas fecundando a terra
das roças do amanhã.

Ó menino, ó vaqueiro,
que tens nas magras mãos
o segredo do tempo
sempre ressuscitado,
apascenta nas folhas
de papel de jornal
teu rebanho de seres
no campo da montanha
e derrama na estrada
como leite na cuia
essa carícia – o vento,
esse poder – a vida,
pedra, ferro, ilusão
bicicleta rodando
contra a noite esquecida
para acordar os dias
e soletrar com os homens
a nova madrugada,
estrela da manhã,
cantiga do horizonte,
rasgada para o céu.



Nenhum comentário:

Postar um comentário