Seguidores

A face do poeta - Olga Savary

Fui eu, sou a face pálida
e ocre, o firme olhar fixo
do olho à espreita, olho que vê,
duro como pedra, mole como dúvida,
certa compaixão, algum espanto,
olhar que se expõe e se revela,
pulsar de coração no crânio lívido
à espera da harmonia universal,
tentativa de semear eternidades
no que em meio à solidão do homem
e na vida é coisa breve e fluida,
esperança de melhores dias vindos
de deuses que aprimorem os seres
sonhando uma melhor humanidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário