Seguidores

O mistério do tempo - Miguel Reale

Foi numa tarde fria de geada
que ele chegou, o monge da caverna.
Sentou-se em seu lugar, o lugar certo,
e em torno dele outros pés chegaram.

O silêncio do claustro iluminou-se,
os mantos se movendo suavemente:
em cânticos de pássaros bailando
incendeu-se o velame para a noite.

E de repente os mantos foram velas
acesas no seu rumo. Ninguém vira
a monja reclinada na penumbra.

Estava desde o início: ela era o início,
a monja em seu manto de neblina
na transparência das vencidas noites.

Nenhum comentário:

Postar um comentário