Seguidores

Do supérfluo - Henriqueta Lisboa


Também as cousas participam
de nossa vida. Um livro. Uma rosa.
Um trecho musical que nos devolve
a horas inaugurais. O crepúsculo
acaso visto num país
que não sendo da terra
evoca apenas a lembrança
de outra lembrança mais longínqua.
O esboço tão-somente de um gesto
de ferina intenção. A graça
de um retalho de lua
a pervagar num reposteiro
A mesa sobre a qual me debruço
cada dia mais temerosa
de meus próprios dizeres.
Tais cousas de íntimo domínio
talvez sejam supérfluas.
No entanto
que tenho a ver contigo
se não leste o livro que li
não viste a rosa que plantei
nem contemplaste o pôr-do-sol
à hora em que o amor se foi?
Que tens a ver comigo
se dentro em ti não prevalecem
as cousas — todavia supérfluas —
do meu intransferível patrimônio?

Um comentário:

  1. Oi, amiga
    Pela enésima vez, tento postar um comentário aqui e não consigo. Se puder, dê uma passadinha lá no Ouriço para ler o post "desculpas".
    Vc, como sempre, inspiradíssima.
    Obrigada por tanta beleza.
    Bjim
    Sueli

    ResponderExcluir