Seguidores

Prelúdio - Sidónio Muralha



A minha Poesia é uma árvore cheia de frutos
que um sol de tragédia amadurece;
mas eu não os arranco nem procuro:
- o meu sol de tragédia aquece, aquece,
e o fruto cai de maduro.

No resto, sou empregado de escritório
que não procura desvendar abismos,
e passo o dia (glorioso ou inglório)
a somar algarismos...

A minha Poesia é um árvore cheia de frutos
que um sol de tragédia amadurece;

mas eu não os arranco nem procuro:
- sei a miséria da estrada percorrida;
o meu sol de tragédia aquece, aquece,

- e o fruto cai de maduro
no chão da minha vida.

2 comentários:

  1. Sentir, em simultâneo, os anseios à flor da pele e a ferida das amarras...

    Beijo :)

    ResponderExcluir
  2. Levei este pra mim, Nádia.

    Abraços. Belos dias!!

    PAZ e LUZ

    ResponderExcluir