Seguidores

É de terra o molde do meu corpo - Graça Pires



 Escavo no peito um declive de seara
para ceifar o pão e roçar o ventre
no aroma dos fenos, até que o fermento
 levede o trigo por entre os dedos do estio.
As farpas de um arado podem sulcar-me a pele
porque é de terra o molde do meu corpo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário