Seguidores

Crônica - Cláudio Neves


Nenhuma lâmina corta mais que a do domingo:
      que ela separa
o vento da palmeira, o sol de seu calor
o carro de quem dentro,
o cão
de seu latido.

Nenhuma tão feroz, e tão exata,
e tão moral que ela separa
o tédio do cansaço,
o prestes do irrecuperável,
o som da coisa que lhe é inata.

 Nenhuma tão senhora, embora ainda antes de golpeada:
que ela constrange os objetos,
lhes ameaça o excesso e os conflagra,
que em que não há cortar
é onde mais se farta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário