Seguidores

Quaresmeiras - Alexandre Bonafim

 Por entre as paredes
da memória
desenhado a giz
um menino teima
em brincar
com as sombras
do silêncio.

Quaresmeiras
latejantes de cor
também insistem
em fincar raízes
no que se perdeu.
ao adentrares a brancura
dessa página
folhas e húmus
hão de  enredar
o teu nome
o teu passado.

A brancura desse poema
há de mergulhar
a tua voz
nas origens
de todo
esquecimento.

 Por entre os muros
da palavra
uma criança teima
em desenhar
na existência
um rosto de chuva
para sempre iluminado.





2 comentários:

  1. Lindo! Tão bom começar assim o dia, sob a sombra da poesia.
    Abçs,

    ResponderExcluir
  2. E a vida fica muito mais bonita
    quando vejo a poesia que há na vida.

    Abraços :)

    ResponderExcluir