Seguidores

Pássaros - Miguel Reale

 Nos meus poemas não há pássaros
aflitos dentro dos versos,
bicos metidos entre as rimas
na angústia dos voos livres.

Amo as aves revoluteando no ar
a liberdade em plena luz,
que não é querer nem cogitar
mas a forma mesma do corpo.

Asas irrequietas receosas
inconstantes buliçosas
o que voam são os olhos
acesos desconfiados vigilantes
perscrutando inimigos, vítimas, distâncias,
adivinhando flores antevendo ninhos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário