Seguidores

Poema à minha vida - Vieira Calado

A minha vida é o que eu penso que é a minha vida,
um golpe de vento o que eu penso ser um golpe de vento.

Vejo no vaivém das ondas apenas a ligeireza das ondas,
a mesma sensualidade das areias que arrastam o vento
e por ele se deixam arrastar numa profunda comunhão
como a água que cai sobre as águas, sem angústia.

E nunca me arrependo de olhar o azul, fazer um gesto
de vigiar o céu, à procura duma estrela imperturbável
apenas a dizer que está ali, longe, contemplando a terra.



7 comentários:

  1. Ah! Vieira Calado, não é só você...Eu também adoro vigiar o céu à procura de uma estrela...Nádia, um beijo carinhoso!

    ResponderExcluir
  2. "E nunca me arrependo de olhar o azul",. Lindo sentir-se como o vento.
    Bjs. Nádia, tenha um dia feliz.

    ResponderExcluir
  3. Sempre especial as poesias colocadas no seu Blog. Quando tinha o Google Reader passava as mesmas para os blogs, agora so posso repassar para o Google. Uma pena. Grata. Sonia Maria

    ResponderExcluir
  4. Sempre bem-vinda, Sônia Maria!

    Abraços :)

    ResponderExcluir
  5. É lindo sentir Vieira Calado!!!!

    Muito belo o teu espaço, Nadia!

    Um beijo

    ResponderExcluir
  6. Obrigada, Elzinha e seja bem-vinda!

    Feliz 2014!

    Beijo :)

    ResponderExcluir