Seguidores

Fuga - Ruy Espinheira Filho


Escuto o tempo fluindo
no rumor azul da tarde.
E sinto-me ventar em mim
e doer bem onde arde
meu coração - doer com
incontáveis estilhaços
de idos objetos e
de mim mesmo. E escuto passos
me acompanhando : são meus
próprios passos - de ontem e antes
e hoje. Talvez amanhã.
Em seus lenços ondulantes,
o vento que sopra o tempo
oculta fundos mistérios
e do que era sorriso
compõe esses rostos sérios
que nos encaram do espelho
e de outros corpos, e vemos,
sob eles, os suaves traços
de quem em nós já perdemos.

Escuto o tempo fluindo,
fugindo. Sobe um soluço
da carne de tudo: móveis,
tecidos, metais. Que forte
é a morte! E só a memória
vive, vive-nos, e soa
seus violinos de névoa
sob um frio sol que monta
num céu de assombro: o Perdido.

Essa lenda que se amplia
no peito - já erodido
pelas distâncias - que vai
explodir em cada gota,
seixo, brilho, sombra, hálito
de alma
(essa asa rota
sangrando os seus enganos
entre as paredes do verso)

até nada se mover
sobre o extinto universo.


4 comentários:

  1. Que beleza esse fluir do tempo transformado em poesia! Parabéns pela inspiração.

    FELIZ NATAL! ABÇ POÉTICO!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns a Ruy Espinheira Filho!

    Obrigada, querida!
    Um Feliz Natal com muita paz e amor!
    Abraços poéticos :)

    ResponderExcluir
  3. Obrigada por seguir meu blog Nádia! cainhoso e festivo abraço!

    ResponderExcluir
  4. Abraços pra você!
    Ótima noite!

    :)

    ResponderExcluir