Seguidores

Para a fadiga dos homens - Tasso da Silveira


Em todos os perdidos portos do mundo, 
sob o crepúsculo
balouçam barcos mansamente.
A brisa é uma carícia lenta
nos mastros e nas velas.
A voz da água é um segredo baixinho.
É preciso não acordar os homens.
É preciso que se encha o mundo de doçura infinita,
de infinito silêncio,
porque os homens estão fatigados, fatigados...




Nenhum comentário:

Postar um comentário