Seguidores

SÊ FÊNIX - Alice Poltronieri


Do sonho não lembrava mais
Cinza num longo e profundo suspirar
Melancólico cântico de um átimo de lucidez a sibilar
Fênix refletida renascia, em lágrima a cessar
Menina, mulher de ínfimo querer contido
De dor, arrefecido peito estrangulado
Em combustão por desdita solidão
Como fênix sobrevivi mil vezes
Se sofri, chorei, fui ao chão
Tornei-me em cinzas , virei pó
Renasço... por vezes
Num voo soberano
Asas imponentes me renovam
No calor de um grande amor
Regenerada, pura e pronta estou
Sou mesmo assim...
Boto a mão no fogo pra queimar
Queimo-me por gostar
Sou ave imaginária
Sou mito, perdulária (...?)
Não importa qual janela vai se abrir
Qual brecha vai a réstia entrar
De coração sempre a pulsar
meus olhos sentimentos a espelhar
Meus versos são fagulha de prosa estelar
Segredando aos adormecidos mortais.
Mitológica vou voar
Sou fênix, me permito sonhar.

2 comentários:

  1. "Não importa qual janela vai se abrir
    Qual brecha vai a réstia entrar
    De coração sempre a pulsar
    meus olhos sentimentos a espelhar
    [...] Sou fênix, me permito sonhar"

    Lindo!!!
    Adorei teu cantinho, Nádia!
    Bjos

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Denise!
    Este cantinho é nosso...
    Seja bem vinda!
    Bjs

    ResponderExcluir