Seguidores

As borboletas brancas - Cecília Meireles



As borboletas brancas
de vida tão breve
fogem duas a duas
entre o azul e o verde.
Tão paralelamente
e tão iguais de longe
(uma é a outra, uma é a outra...).
Ambas da mesma forma
e do mesmo tamanho,
ambas com o mesmo ritmo.
(uma é a outra, uma é a outra...).
O ar sustenta-as nos ares,
o ar separa-as nos ares,
como um reflexo na água,
uma é a outra, uma é a outra.
Flores de duas pétalas,
logo de quatro, de oito...
(uma e outra, uma e outra...).



Cada uma agora é dupla,
todas duas são uma...
chegam, juntam-se,afastam-se,
vêm, afastam-se, fogem...
... entre o azul e o verde
todas brancas desfolham-se...
( uma é a outra, uma é a outra...)
e passam de uma a outra,
e depois de uma e de outra
apenas são nenhuma.

4 comentários:

  1. Lindo poema de Cecília Meireles!
    Gd beijo

    ResponderExcluir
  2. Olá, em qual livro está esse poema?

    ResponderExcluir
  3. Foi retirado de um livro didático há alguns anos, por isso não tenho como lhe indicar o autor do livro.

    ResponderExcluir
  4. Obrigada, Nádia. Está em As Palavras Voam, org. por Bartolomeu Campos de Queirós; Consegui achar.

    ResponderExcluir