Seguidores

Discurso aos infiéis - Cecília Meireles



Por que chorar de saudade,
se me resta o longo mar sonoro e vazio,
a flor perfeita, a estrela certa,
e a canção que o pássaro vai borlando ao vento?

Por que chorar de saudade,
se me resta um jardim de palavras,
e os bosques do eco
e estes caminhos da memória me pertencem?

Por que chorar pelo que me levais,
se é maior o que fica:
se a sombra em que voa recordo é mais bela que o vosso vulto,
se não podeis ser em vós o que em mim sois,
se em vós morreis e em mim ressuscitais?

é melhor não ficar jamais com quem nos ama.
O amor é um compromisso de grandeza,
o amor é uma vigília incansável...
e aparentemente vã.

Passai, parti, deixai-me, vós que, no entanto,
parecestes um momento mais adoráveis
que o mar, que a flor, que a estrela,
que a canção que um frágil pássaro vai borlando no vento...

Éreis o vento, apenas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário