Seguidores

O relógio - Carlos Drummond de Andrade,


Nenhum igual àquele.

A hora no bolso do colete é furtiva,
a hora na parede da sala é calma,
a hora na incidência da luz é silenciosa.

Mas a hora no relógio da Matriz é grave
como a consciência.

E repete. Repete.

Impossível dormir, se não a escuto.
Ficar acordado, sem sua batida.
Existir, se ela emudece.

Cada hora é fixada no ar, na alma,
continua soando na surdez.
Onde não há mais ninguém, ela chega
e avisa
varando o pedregal da noite.

Som para ser ouvido no longilonge
do tempo da vida.
Imenso
no pulso
este relógio vai comigo.

2 comentários:

  1. *..♥..♠..♦..♣..◘..♦..♥..☺..♣..♠..♦*
    Romanos 8:38-39 Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.

    Deuteronômio, 33:27 - O Deus eterno é a tua habitação e, por baixo de ti, estende os braços eternos; ele expulsou o inimigo de diante de ti e disse: Destrói-o.



    Deixando um abraço de paz e um convite a visitar o http://hanukkalado.blogspot.com/

    semana de bençãos a ti e tua família.

    *..♥..♠..♦..♣..◘..♦..♥..☺..♣..♠..♦*

    ResponderExcluir
  2. Obrigada pela presença e convite, Valquíria!

    Ótimo domingo!
    Bjs

    ResponderExcluir