Seguidores

A chuva - e.e.cummings


 

ninguém, nem mesmo a chuva, tem mãos tão pequenas...
e.e.cummings

e chove
tua cidade esconde a serenidade de saber-te ali
ao alcance do meu grito mais suave
entre caminhos de vozes e ventos cuja cor chora
a desistência dos sonhos
e ama
tua chuva cai em meus cabelos como aquelas flores
pintadas nos jardins de Uffizi - enquanto choves
diz ao meu desejo: qual a estação do teu olhar -
ao meu recordo no ciclo entre mim e as nuvens
e lembra
aqui era o sereno feito corpo mais que sentimento
quando os grilos encantavam as águas em outro ermo -
apenas o teu nome sabe a imensa e minha loucura -
e ousa
se ousares abre mais essa janela que o caibro
[esconde
e voa sobre as palmas - as mãos de chuva nos
[meus olhos
e acalenta
estas palavras como sempre e nunca -
e esquece

Nenhum comentário:

Postar um comentário