Seguidores

A casa rouca - Aníbal Machado

Ficara o galo, sobrevivência da ruína.
Rouco o seu canto.
Canto que não parecia mais de galo,
senão a própria voz da casa abandonada.
Casa rachada ao sol, aluindo-se ao vento de chuva.
Não mais agora figuras humanas entrando;
apenas lagartixas e morcegos para recepção às sombras.
Casa rouca submersa no matagal, teu galo ficou.
E seu canto perdeu o timbre de sol,
já não inaugura os dias.
E se fez adequado aos estragos do reboco,
à podridão das esquadrias – 
última secreção de pareces gemidas.
Galo rouco. Casa rouca.

Nenhum comentário:

Postar um comentário